Entre em contato

(61) 3035-8200

(61) 99873-0700

Funcionamento

SEG-QUI • 8h às 18h
SEX • 8h às 17h

Blog Oncotek

Em mais um Outubro Rosa, seguimos todos juntos pela prevenção

20 de outubro de 2017

O mês de outubro é marcado pela campanha do Outubro Rosa. A função desse conjunto de ações feitas pelo Governo, profissionais da saúde, clínicas, dentre outros, é alertar as mulheres sobre o rastreamento do câncer de mama. E quando falamos de rastreamento, estamos falando para todas as mulheres em qualquer idade. Os homens também podem ajudar, incentivando as esposas, irmãs, mães e qualquer mulher com mais de 40 anos a procurar o médico para ser rastreada.

A princípio, a recomendação é mamografia anual para todas as pacientes acima dos 50 anos, mas, em alguns casos, onde há histórico familiar ou outros fatores de risco, pode ser realizada a ultrassonografia mamária e/ou a mamografia desde os 40 anos. Porém, todas devem ficar alerta, pois existem casos de câncer de mama, mesmo que não frequentes, em mulheres com menos de 40 anos. Daí a importância da mulher também realizar o autoexame, apalpando os seios com frequência e notar e expor ao seu médico qualquer alteração.

Mas por que se bate tanto na tecla dos exames? As chances de cura da doença em fase inicial são muito mais elevadas. A mais inicial, as chamadas doenças in situ, lesões pré-malignas que evoluirão para um câncer se não tratadas, são as mais curáveis . À medida que vai crescendo, as chances de cura vão diminuindo. E esse crescimento ocorre sem sinais nem sintomas na maioria das vezes.

Hoje o tratamento do câncer de mama é multimodal, podendo ser utilizada uma combinação de cirurgia, quimioterapia, hormonioterapia e radioterapia. A mastectomia, cirurgia utilizada para retirar as mamas, tem sido cada vez menos realizada. É porque os mastologistas estão dando preferência a técnicas menos agressivas que, combinadas com a radioterapia, produzem a mesma eficácia. As indicações destas técnicas cirúrgicas mais modernas dependem de vários fatores, dentre eles, a proporção entre tumor e mama. Tumores grandes em mamas menores, por exemplo, necessitam da mastectomia tradicional como regra.

É importante lembrar que a mastectomia deve ser feita com reconstrução imediata sempre que possível, pois assim são evitados traumas psicológicos e desmotivação da paciente recém-operada que, muitas vezes, ainda vai seguir uma longa e dura jornada de tratamento, com quimioterapia, radioterapia e/ou hormonioterapia. Isto faz parte do tratamento humanizado e deve ser preconizado em todos os centros de tratamento oncológico.

Durante todo o mês de outubro, vamos unir forças nessa luta pela prevenção. Todas as mulheres com mais de 40 anos devem procurar seu mastologista para fazer seus exames de rotina. E toda a sociedade deve participar, lembrando suas mães, irmãs, tias, esposas e avós que se prevenir é um ato de amor. Vamos juntos no Outubro Rosa!

Remodal