Entre em contato

(61) 3035-8200

(61) 99873-0700

Funcionamento

SEG-QUI • 8h às 18h
SEX • 8h às 17h

Blog Oncotek

Imunoterapia é aprovada como primeira opção de tratamento para câncer de pulmão

11 de setembro de 2017

Os pacientes com câncer ganham com mais um avanço na forma de tratar a doença no Brasil. A Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) aprovou o uso do medicamento imunoterápico Keytruda para primeira linha de tratamento de câncer de pulmão metastático, isto é, antes da quimioterapia.

O medicamento já era utilizado também em primeira linha para melanoma e em segunda linha para câncer de pulmão, porém, baseado em pesquisas que demonstraram a redução significativa do risco de progressão deste tipo da doença, agora, os médicos podem recorrer diretamente à imunoterapia para esses pacientes.

A indicação é para o câncer de pulmão de não pequenas células, que correspondem a 85% dos casos.

“Após o diagnóstico, encaminhamos o material para pesquisa de biomarcadores, que define o tipo específico do tumor. Se os níveis de expressão da proteína PD-L1 forem maiores que 50%, já se pode usar a imunoterapia com Pembrolizumab (Keytruda) antes de quimioterapia”, explica o médico oncologista da Oncotek Dr. Eduardo Johnson Buarque.

No último dia 19 de agosto, o Dr. Eduardo Johnson participou de um encontro de médicos de todo Brasil realizado pela MSD, laboratório fabricante do Keytruda. Lá se discutiu como essa mudança na abordagem terapêutica traz enorme benefício aos pacientes. Aqueles que já fizeram uso do Keytruda apresentaram, além do melhor resultado em relação à quimioterapia, resposta de longa duração e baixo grau de efeitos colaterais, levando a uma boa qualidade de vida.

“Quando temos respostas positiva com a imunoterapia, ela é longa, de anos. A da quimioterapia é mensurada apenas em meses. Com essa evolução do tratamento do câncer de pulmão, podemos ter sobrevida de mais de dois anos e há possibilidade de cura, sem recidiva.”

Dr. Eduardo Johnson- Oncologista

Esse e outros medicamentos imunoterápico podem ser usados em casos específicos e quando outros tratamentos já não oferecem um resultado satisfatório.

“Aqueles pacientes que se encontram em tratamento e apresentam boa resposta devem prosseguir na quimioterapia. Já aqueles que ficam resistentes ou que estão com muitos efeitos colaterais podem utilizar a imunoterapia, sem problema algum.”

Para conhecer um pouco mais sobre o tratamento, suas indicações e benefícios, confira o post que já fizemos sobre a Imunoterapia aqui no blog.

Créditos das imagens: Medline Plus / Site Tua Saúde

Remodal